Grupo Lufthansa atinge o melhor resultado da história

 Resultados de 2017

  • O EBIT ajustado cresceu cerca de 70% para algo em torno de 3 bilhões de euros

  • A margem de EBIT ajustado subiu 2,9 pontos percentuais para 8,4%

  • Crescimento de ganhos foi impulsionado principalmente pelas companhias aéreas do Grupo (incluindo cargo)

  • Faturamento subiu 12,4% para 35,6 bilhões de euros

  • Custos unitários ainda mais reduzidos

  • Dividendos 60% maiores propostos com pagamento de 0,80 euro por ação

 Perspectivas para 2018

  • Desenvolvimento estável da receita unitária esperado

  • Custos unitários devem ser ainda mais reduzidos em 1% ou 2%

  • Custos de combustível mais altos em algo em torno de 700 milhões de euros têm expectativa de serem compensados com o aumento da performance de operação

  • O EBIT ajustado para o ano deve ser apenas pouco abaixo do recorde de 2017

“Nossos esforços dos últimos anos estão retornando. Nossa modernização tem um impacto sustentável. Nós atingimos o melhor resultado da história da nossa companhia. 2017 foi um ano muito bom para nossos clientes, nossos funcionários e nossos acionistas”, disse Carsten Spohr, Chairman do Conselho Executivo e CEO da Deutsche Lufthansa AG. “No ano passado, fomos capazes de reduzir os custos de novo, enquanto ao mesmo tempo nos tornamos a primeira  – e a única – companhia aérea na Europa a ser premiada com cinco estrelas. Nós estamos reduzindo nossos custos onde isso não afeta o cliente, e simultaneamente estamos investindo mais em nosso produto e na qualidade dos serviços.”

O faturamento total do Grupo Lufthansa em 2017 chegou a 35,6 bilhões, uma alta de 12,4% sobre o ano anterior. O EBIT ajustado de 2,97 bilhões representa significativos 69,7% de alta em um ano em relação ao ano anterior.  E os 8,4% de margem do EBIT ajustado está 2,9 pontos percentuais acima se comparado com o ano anterior. O EBIT para o ano aumentou mais de 1 bilhão de euros, para 3,3 bilhões de euros. O grande aumento do EBIT inclui o efeito positivo dos 582 milhões de euros do acordo coletivo com o sindicato dos pilotos da Lufthansa, Lufthansa Cargo e Germanwings, que foi reconhecido na demonstração de resultados de dezembro.

“Nós estamos particularmente satisfeitos porque fomos mais uma vez capazes de reduzir os custos unitários das companhias aéreas de transporte de passageiros, excluindo os fatores combustível e câmbio, no ano passado. Isso, em particular, pelo fato dos custos com transporte de passageiro terem subido em razão das taxas de ocupação mais elevadas, a remuneração variável foi maior graças ao bom resultado desenvolvido, e custos adicionais decorrentes das compensações pagas por conta dos cancelamentos de voos da Air Berlim sobrecarregaram nossos custos também” , acrescentou Ulrik Svensson, Chief Financial Officer (CFO) da  Deutsche Lufthansa AG. “Excluindo estes fatores de efeito único, nossos custos unitários foram reduzidos em 1,8%.”

O Grupo Lufthansa investiu 3 bilhões de euros em 2017, cerca de um terço a mais do que no ano anterior. Isso é parcialmente devido aos investimentos de 900 milhões de euros em aeronaves em operação na Air Berlin. “Estes elevados investimentos também refletem o aumento do tamanho do Grupo. Mas os investimentos relativos ao faturamento permanecem de acordo com as mais bem sucedidas companhias aéreas”, comentou Ulrik Svensson. “O importante é que a taxa de retorno do capital continua a crescer. Em 2017, nosso ROCE Ajustado (depois dos impostos) cresceu 4,6 pontos percentuais para 11,6%.”

Apesar das elevadas despesas, o fluxo de caixa livre praticamente dobrou em 2017 para  2,3 bilhões de euros. O débito financeiro líquido aumentou 6,8% para 2,9 bilhões de euros. Estes dados incluem o financiamento de  1,7 bilhão de euros para o novo modelo de contribuições para o fundo de pensão dos comissários de voo. O total das provisões destinadas a pensão foi reduzido em cerca de 3,2 bilhões em 2017. O índice de capital no fim do ano ficou em 26,5%, uma alta de 5,9 pontos percentuais.

“Com base nestes resultados muito bons, propusemos um dividendo de 0,80 euro por ação para a Assembleia Geral Anual”, disse Ulrik Svensson. “Isso representa um aumento de 60%  no pagamento, se comparado com o ano anterior. Este o nível mínimo de pagamento que nós desejamos manter para os próximos anos. ”

Companhias aéreas em rede

As companhias aéreas do Grupo – Lufthansa, SWISS e Austrian Airlines – aumentaram o EBIT Ajustado em cerca de 50% para 2,3 bilhões. Com a demanda alta e um ambiente de preços favorável, as companhias aéreas em rede aumentaram a margem EBIT em 2,6 pontos percentuais para quase 10%.

Companhias ponto a ponto

Apesar das significativas despesas oriundas da aquisição de capacidade da Air Berlin, Eurowings reduziu os custos unitários, excluindo combustível e câmbio, em 6,5%. Tendo isso com pano de fundo e com a forte demanda do mercado, o EBIT Ajustado cresceu 200 milhões de euros. Apesar dos fatores únicos relacionados à consolidação do mercado, as companhias aéreas ponto a ponto do Grupo aumentaram a margem do EBIT Ajustado em 7,3 pontos percentuais e atingiram um EBIT Ajustado positivo de cerca de 100 milhões de euros. O crescimento inorgânico depois da insolvência da Air Berlin vai dar uma contribuição positiva para as companhias aéreas ponto a ponto de 2019 em diante.

Aviation Services

Os serviços aeronáuticos do Grupo em conjunto atingiram um resultado muito bom, apesar do desenvolvimento entre as áreas de negócios apresentar diferenças. Uma combinação de redução de custos e demanda elevada ajudou a Lufthansa Cargo a aumentar o EBIT Ajustado em cerca de 300 milhões de euros para 242 milhões de euros. Os 415 milhões de faturamento da Lufthansa Technik está totalmente alinhado com os níveis do ano passado. No contexto das contínuas transformações das operações aéreas na Europa, o Grupo LSG registrou um declínio de 38 milhões no faturamento no ano, passando para 66 milhões de euros.

Perspectivas

Os 700 milhões de alta nos custos de combustível podem ser compensados com a melhoria da performance operacional, sendo assim em 2018, um EBIT Ajustado apenas um pouco abaixo é esperado. A capacidade orgânica deve crescer em 7%, assim como os faturamentos unitários, excluindo câmbio, devem ficar estáveis. Os custos unitários, excluindo combustível e câmbio, devem ser reduzidos em 1 ou 2%.

“Vamos continuar insistentemente a perseguir a nossa modernização”, concluiu Carsten Spohr. “E fazendo isso, vamos manter o foco claro na redução de custos e ao mesmo tempo em aumentar a qualidade. Esta é a única forma sustentável de fazer a rentabilidade aumento. De uma posição de força, nós vamos continuar a impulsionar a consolidação na Europa.”

O “2017 Annual Report of Deutsche Lufthansa AG” já esta publicado em  www.lufthansagroup.com/investor-relations

Informações para a imprensa

Egom PR Agency – (11) 3666 7979/ 3666 7981

Daya Lima (11) 98207 5278

Marcela Matos (11) 98447 1756

Sala de imprensa: http://egom.com.br/press-releases/

E-mail: egom@egom.com.br

Visite a Egom PR Agency no Facebook!

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2018 Egom Consultoria de Comunicação e Marketing

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?